ÚLTIMAS NOVIDADES

Conheça o novo Toyota Corolla Híbrido 2020

Chegou! A 12ª geração do sedã-ícone do Toyota adota nova plataforma, sobe de nível e se torna o primeiro híbrido flex do mundo, capaz de usar eletricidade, etanol e gasolina em qualquer proporção.

O híbrido flex foi desenvolvido sobre o pioneiro Prius, e estreia no Corolla após meses de testes. A união pretende dar volume à tecnologia, já que o sedã é o modelo mais vendido da marca no mundo.

A mecânica combina o motor 1.8 flex de 101 cv e 14,5 kgfm de torque a outros dois motores elétricos, capazes de gerar 72 cv e 16,6 kgfm. Até o câmbio CVT é híbrido — a caixa usa planetárias e não correias e polias, como nas CVTs tradicionais. Mas a despeito do ineditismo do híbrido, tudo neste Corolla é novo. A nova arquitetura proporcionou um incremento de 60% na rigidez torcional.

Com o chassi mais firme, a Toyota fez alguns ajustes, o principal deles é o esquema da suspensão traseira, agora independente por braços duplos. Outra mudança é o centro de gravidade, que baixou 1 centímetro com a redução de 3 cm na altura. Com um detalhe: a modularidade da plataforma permitiu elevar em 4 mm a altura em relação ao solo.

Por dentro, o novo Corolla dá um salto em ergonomia e acabamento. O espaço interno não mudou muito, já que o sedã mantém os 2,70 metros de entre-eixos e ganhou 1 milímetro apenas na largura. O porta-malas também permanece com 470 litros. Painel e portas trazem peças de superfície macia ao toque — tem até uma costura de verdade na parte em frente ao banco do passageiro. Houve uma clara busca por refinamento a bordo.

Outro ponto alto é a lista de equipamentos. O sedã sai de fábrica em todas as versões com sete airbags, controles eletrônicos de estabilidade e de tração, vidros elétricos nas quatro portas com acionamento por um toque, rodas de liga leve aro 16, Isofix com Top Tether para cadeirinhas infantis e a nova central multimídia, cuja tela de oito polegadas fica em destaque no alto do painel. Há duas portas USB, Android Auto e CarPlay. Uma das novidades que chegam com a nova geração é o sistema Safety Sense, que reúne recursos semiautônomos. O equipamento é exclusivo das versões Altis e opera por um radar no escudo da Toyota na grade, e uma câmera no alto do para-brisas.

Há farol alto automático, controle de cruzeiro adaptativo (acelera e freia o veículo), assistente de permanência em faixa (faz leves correções no volante) e a frenagem automática de emergência (reconhece obstáculos à frente e freia sozinho). Segundo a Toyota, o ACC funciona desde 30 km/h até 180 km/h.

No caso do Hybrid, há ainda o pacote Premium, que traz outros itens interessantes, como painel com acabamento bicolor (preto e bege), ar-condicionado de duas zonas, sensor de chuva, banco do motorista com ajustes elétricos, retrovisores laterais retráteis e teto solar — este último inédito no Corolla nacional. A mecânica híbrida é naturalmente a principal inovação do Corolla, mas a Toyota também fez uma reforma completa nas versões “normais” do sedã. O modelo estreia um 2.0 16V flex inédito, chamado de Dynamic Force, que opera em ciclo Atkinson e não no Otto, que é padrão da indústria. Isso possibilitou alguns ajustes diferentes. Um deles é a elevada taxa de compressão de 13.0:1, que permitiu extrair mais força. São 177 cv de potência com etanol e 167 cv com gasolina a 6.600 rpm, e um torque máximo de 21,4 kgfm entregue a 4.400 rotações com ambos os combustíveis. Na comparação com o antigo 2.0 flex (154 cv e 20,7 kgfm com etanol), são 15% a mais de potência gerada.

Segundo a Toyota, o novo 2.0 usa pistões de curso mais longo e oferece duplo sistema de injeção (direta e indireta), o que ajudou a elevar a eficiência energética e a reduzir o consumo em 9% em relação ao antecessor.Outro recurso que contribui para isso é o controle de abertura das válvulas de admissão (VVT-IE), que conta com acionamento elétrico em vez de hidráulico. Mas não é só. A Toyota também trocou o câmbio CVT anterior de sete marchas simuladas por uma nova caixa CVT com dez relações virtuais e engrenagem na primeira marcha. A solução buscou melhorar a tração na saída em marcha lenta, uma vez que o câmbio anterior patinava um pouco. A nova caixa também usa polias metálicas acionadas por compressão e não por extensão. Dessa forma, além de tracionar melhor ao sair, o novo CVT produz reduções notáveis. Embora o Corolla tenha mudado totalmente, a Toyota manteve os nomes das versões, já conhecidos dos brasileiros. O modelo de entrada é o GLi. Acima vem o intermediário XEi, e no topo a versão Altis, única que poderá ter as duas mecânicas — o 2.0 flex CVT e o híbrido. Não bastasse todas as novidades que a nova geração traz, a montadora japonesa anunciou a ampliação da garantia de 3 para 5 anos. Já o conjunto híbrido conta com cobertura de 8 anos. São números imponentes que reforçam a confiança no produto e devem ajudar o Corolla a manter sua supremacia na categoria.

 

Fonte: revistaautoesporte.globo.com

16 de Setembro de 2019
Top